A mesa de centro é uma das peças mais importantes da sala de estar. Além de funcionar como um objeto decorativo, ela também é um apoio importante. Mas qual o melhor modelo para a sua sala? Qual a altura ideal? Para te ajudar a responder essas e outras questões, as arquitetas Ana Paula Briza e Fernanda Takadachi do escritório Triarq Studio Arquitetura prepararam um guia bem prático para te auxiliar a escolher a melhor opção para a sua casa.

Sobre o tapete listrado, a mesa de madeira e mármore carrara se destaca no apê da Triarq | Foto: JP Image

No momento de escolher as peças imprescindíveis da sala de estar, a mesa de centro está sempre no topo da lista. Além de funcionar como um apoio importante, esse móvel revela a personalidade do décor. Mas o que fazer para que ele não sirva apenas para acomodar objetos a esmo e o controle remoto?

“Considerar as medidas do ambiente e identificar a rotina da família ajudará a definir a mesa ideal”, comenta Ana Paula. “Hoje, há uma infinidade de formatos, cores e materiais, como vidro, metal, madeira e acrílico. Vale escolher um modelo bem imponente ou ousar mesclando diferentes tipos e alturas. Tudo depende do projeto”, completa Fernanda Takadachi. Mas as dicas da dupla de arquitetas que comanda o escritório Triarq Studio de Arquitetura não param por aí.

Três modelos de madeira laqueada, de diferentes alturas e formatos, dão um ar descolado à sala deste apartamento com projeto da Triarq Foto: Mariana Orsi

Por onde começar

Primeiro, vale saber qual o perfil da família e como a mesa influenciará na rotina da casa. Em salas com criança, um modelo sem quinas nem materiais que machuquem será fundamental. “Há até quem prefira abrir mão da mesa de centro enquanto a criança estiver engatinhando e aprendendo a andar”, comenta Ana Paula.

De olho nas medidas

A recomendação é deixar um espaço de 60 cm, no mínimo, entre a mesa e o sofá para não prejudicar a circulação da sala. Também é importante que o móvel não seja nem alto nem baixo demais, pois errar nesse cuidado além de dificultar o dia a dia das pessoas também causará um desconforto visual. “Ela deve ser menor ou da mesma altura dos assentos do sofá”, comenta Fernanda. Para quem gosta de ousar na decoração e tem bastante área disponível na sala também pode brincar com alturas diferentes posicionando as peças juntas, preocupando-se, é claro, em deixar o conjunto bastante harmônico.

Mesa de vidro e madeira de demolição na sala do apartamento reformado pela Triarq | Foto: Mariana Orsi

Materiais recomendados

Não há uma regra que determine o material mais adequado para a mesa de centro. Mas ela precisa estar em sintonia com o restante da decoração e, nesse caso, usar o bom senso é essencial. Em geral, a madeira mais bruta cai bem, principalmente, em ambientes de atmosfera rústica. Se a busca é por um design contemporâneo vale pensar nos modelos espelhados ou nas madeiras laqueadas. “Se a ideia for investir numa peça imponente e quase escultural, há peças feitas de vidro lindas”, sugere Ana Paula. Existem ainda as alternativas feitas de pedras, como o mármore, muito comum em espaços clássicos.

Mesa de centro feita de madeira revestida de espelho no projeto da Triarq | Foto: JP Image

Escolha do formato

A maioria dos modelos tem formatos quadrados ou retangulares, mas nada impede de ousar e investir em outros desenhos. Alternativas ovais, triangulares ou até hexagonais tiram o living da mesmice e mostram o jeito descontraído da decoração. Apostar em uma cor fora do convencional, quando possível, também é um bom recurso para inovar. “Brincar com objetos coloridos, arranjos de flor e livros poderosos também dá um toque especial ao móvel”, lembra Fernanda.

Trio de mesas redondas de madeira na casa reformada pela Triarq | Foto: Mariana Orsi

Triarq Studio de Arquitetura

www.triarq.arq.br

Fonte: Da Redação/Assessoria/Triarq Studio de Arquitetura