Com o crescimento das cidades, ocorreu também um aumento acentuado dos incômodos auditivos gerados a partir de vizinhos, do trânsito intenso ou mesmo pela proximidade com estações de metrô, trens e aeroportos, onde o som pode ultrapassar 90 decibéis. Estudos realizado pela OMS (Organização Mundial de Saúde) indicam que cerca de 900 milhões de pessoas em todo o mundo poderão adquirir sintomas de surdez até o ano de 2050, sendo que uma das principais razões é a exposição a altos níveis de ruídos.

Projeto de André Pacheco, em São Leopoldo (RS) – foto: Eduardo Liotti

Justamente por ser invisível, a poluição sonora pode ser uma das maiores vilãs do mundo moderno para a saúde auditiva. Na tentativa de minimizar esse problema, a norma ABNT 15.575/2013, que trata de edificações habitacionais, é uma das responsáveis em normatizar e estipular níveis mínimos de isolamento acústico para edificações. Nas construções, a preocupação em utilizar produtos que minimizem os efeitos sonoros é relativamente nova no Brasil.

Dentre os vários tipos de barulhos existentes em ambientes fechados, o que está mais presente são os ruídos de impacto, que são propagados a partir de um corpo sólido e transmitido por meio de ondas sonoras até nossos ouvidos. Um excelente atenuante da transmissão deste tipo de ruído é o Piso Elevado Eliane. Composto 100% por material termoplástico, tem fixação e travamento do produto independente de elementos rígidos fixados à estrutura da edificação, funcionando como uma ‘mola’ dentro do sistema, reduzindo o efeito criado pela estrutura da laje e do revestimento.

Outro benefício é a redução do ruído hidráulico provocado pelas tubulações de ambientes úmidos, tais como cozinhas, banheiros e vestiários públicos, o que inibe a propagação do som gerado ao utilizar o sistema. “O Piso Elevado Eliane vem revolucionando o mercado por aliar conceitos e valores técnicos, estéticos e construtivos, culminando em uma estrutura inteligente que acompanha a crescente necessidade de respostas rápidas e eficientes para atender às rígidas exigências normativas do mercado”, comenta Karina Campos, gerente da Eliane Tec, serviço da Eliane Revestimentos especializado em sistemas construtivos completos, com portfólio voltado para soluções que unem tecnologias e inovações em prol da sustentabilidade e da ecoeficiência nas edificações.

Já para evitar o desconforto causado pelo ambiente externo, a vedação sonora correta de um espaço ou mesmo de uma residência inteira pode impedir que o som se propague entre os ambientes, garantindo mais privacidade nos espaços internos. As janelas da Weiku, contam com o que há de mais moderno em esquadrias de PVC, que, por característica, não permite que o som seja conduzido para o interior. “A utilização do PVC tem sido cada vez mais requerida, graças aos grandes benefícios proporcionados pelo material. Afinal, eliminar os ruídos com a máxima eficiência, em qualquer ambiente, é o que as pessoas buscam para suas construções”, afirma Michael H. Lochner, gerente de marketing da empresa.

O uso do material tem sido frequente não só em residências, mas também em edifícios, hotéis, escolas, hospitais etc. Além disso, o PVC também é um grande aliado de um visual inovador. Seu design garante uma decoração contemporânea e sofisticada e oferece uma linha de janelas que reduz o nível de ruído em até 35 dB. O vidro duplo é muito utilizado por garantir um isolamento acústico perfeito e ainda proporciona proteção térmica.

A realização de uma análise técnica auxilia na escolha do melhor tipo de janela e na característica ideal do vidro, considerando a frequência, a intensidade dos sons e o ambiente em que será instalado. Esse cuidado ajuda a atenuar significativamente a entrada ou saída dos ruídos, garantindo o melhor em conforto e tranquilidade aos moradores.

Weiku

www.weiku.com.br

Eliane Tec

www.elianetec.com

Fonte: Da Redação/Assessoria