As placas solares no telhado da Escola Municipal Professor Milton de Magalhães Porto, em Uberlândia (MG), trouxeram benefícios que vão além dos mais de 70% de economia na conta de luz. Os professores estão aproveitando a energia solar como instrumento de ensino em diversas disciplinas.

Na aula de matemática, por exemplo, os gráficos de consumo de energia da conta de luz são usados para ensinar subtração às crianças. Já na aula de geografia, os alunos aprendem que o sucesso das placas na escola está relacionada com a grande incidência de sol na região.

E.M. Milton Magalhaes Porto, Uberlandia - MG; Um ano de escola solar; Paineis Solares

E.M. Milton Magalhaes Porto, Uberlandia – MG;
Um ano de escola solar;
Paineis Solares

Para Bárbara Rubim, da Campanha de Clima e Energia do Greenpeace Brasil, a escola de Uberlândia é um exemplo por levar os temas ambientais para dentro da sala de aula de forma inovadora.

“Num mundo em que a gente liga a tevê e só vê notícias ruins, é muito bom ver a transformação no ensino dessas crianças. Ver que elas estão aprendendo desde cedo como podemos construir um futuro mais renovável, socialmente justo e com a melhor utilização de nossos recursos”, disse.

Economia

E.M. Milton Magalhães Porto, Uberlândia - MG. Comemoração de um ano da instalação de placas fotovoltaicas. Multiplicadora solar explica para os alunos como funciona o fogão solar. 08/04/2016. Uberlândia, Minas Gerais. Foto: Geraldo Pestalozzi/Greenpeace.

E.M. Milton Magalhães Porto, Uberlândia – MG. Comemoração de um ano da instalação de placas fotovoltaicas. Multiplicadora solar explica para os alunos como funciona o fogão solar. 08/04/2016. Uberlândia, Minas Gerais. Foto: Geraldo Pestalozzi/Greenpeace.

Desde que recebeu placas fotovoltaicas, um ano atrás, a escola já economizou R$ 15 mil. E espera-se que até o fim desse ano a economia seja de R$ 20 mil. A instalação do sistema fotovoltaico foi resultado de um financiamento coletivo organizado pelo Greenpeace Brasil para levar a escolas públicas os benefícios da energia solar, que é renovável e uma das mais limpas.

Graças a um acordo com a prefeitura, o dinheiro poupado voltará à escola, em forma de melhorias em sua estrutura e investimentos em novos projetos de ensino. Segundo Isabel Carrijo, diretora pedagógica, uma das propostas é a realização de viagens e passeios para que os alunos tenham experiências mais práticas, para completar aquilo que aprendem na teoria.

Acompanhe o vídeo:

Fonte: Green Peace