A Lar Mar tem recolhido bitucas de cigarro em seu ponto físico localizado no bairro de Pinheiros, em São Paulo, e transformá-las de pranchas de surfe. No local, há um reservatório onde os clientes podem deixar os cigarros que serão destinados para a ação. “Nosso objetivo é fazer com que as pessoas parem de jogar bitucas no chão. Nossos clientes aceitaram a ação de uma forma incrível. Em apenas um final de semana, já conseguimos reunir mais de mil bitucas”, conta Felipe Árias, fundador da Lar Mar.

Árias conta que a arrecadação de bitucas será uma ação contínua na Lar Mar e que as pranchas fabricadas por lá não serão vendidas. “Todas serão doadas para escolinhas de surfe para crianças carentes da cidade de Santos e Guarujá, litoral de São Paulo”. A cada três mil bitucas recolhidas, uma prancha será criada pelo shaper Neco Carbone, que poderá ser usada no mar ou como objeto de decoração. “É uma prancha de construção convencional, porém haverá um buraco central ao longo de toda a superfície (tipo uma piscina) onde as bitucas serão depositadas e a laminação de fibra de vidro que é transparente vai por cima”, conta Carbone.

A iniciativa foi inspirada no projeto ‘Cigarette Board’ do design industrial Taylor Lane, que construiu a primeira prancha de surfe com o material e ganhou diversos prêmios de sustentabilidade nos Estados Unidos. Um dos embaixadores do projeto foi o músico Jack Johnson que testou uma das pranchas produzida com quatro mil bitucas encontradas nas praias da Califórnia.

Guarujá participa da iniciativa

No projeto, a Lar Mar de recolher bitucas de cigarro para transformá-las em pranchas de surfe e depois, doá-las para crianças carentes de Santos e Guarujá. E, na onda de recolher o material, o estabelecimento se uniu às ONGs Projeto Ondas, Ecolocal Brasil e Keep The Ocean Blue com o objetivo de coletar lixo pela praia da Enseada, no Guarujá, litoral sul de São Paulo.

Felipe Árias, fundador da Lar Mar, e Neco Carbone, o responsável pela criação das pranchas, participaram da ação e encontraram muitas pontas de cigarro espalhadas pela praia. Neco, que criará as pranchas na sala de shape da Lar Mar, conta que acha impressionante a quantidade de lixo encontrada na Enseada. Carbone acrescenta que coletaram “muito lixo fresco sob os olhares dos responsáveis”. O shaper disse que a experiência foi de frustração, já que pôde ver a falta de conscientização e educação das pessoas.
A Lar Mar compartilhou a ação pelas redes sociais e relatou que todo o lixo coletado não estava no mar, mas tinha sido deixado na praia pelos seus próprios frequentadores. Felipe contou que as pessoas ficavam envergonhadas quando os colaboradores se aproximavam para recolher as sujeiras. “Elas se sentiam constrangidas quando chegávamos perto dos guarda-sóis, pois em volta das cadeiras onde estavam os banhistas sentados, encontrávamos bitucas”, diz.

A coleta também está sendo realizada no ponto físico da Lar Mar, que fica localizado no coração de São Paulo, no bairro de Pinheiros. Você pode deixar suas bitucas na rua João Moura, 611, das 12h às 00h de terça a domingo.

Fonte: Da Redação/Assessoria/Lar Mar