Cores intensas, mistura de estampas, materiais e texturas, ousadia e irreverência. A principal marca do Maximalismo é a explosão de combinações, sem monotonia. Atualmente, em alta na decoração, essa tendência já foi observada em outros meios de arte.

(Projeto da arquiteta Guta Louro, em São Paulo. Foto: Rômulo Fialdini)

Na literatura, o termo foi associado aos romances pós-modernos, no qual digressão, referência e elaboração de detalhes ocupam grande parte do texto. Já nas artes visuais, é utilizado para descrever um grupo de artistas do final da década de 70, que surgiram em oposição ao do minimalismo redutivista. Especialmente representando um contraponto ao minimalismo, é possível observar o uso de objetos ecléticos e uma decoração livre, que segue a tendência do faça-você-mesmo. Confira alguns objetos que vão fazer de qualquer decoração um marca maximalista.

1- Piso Vinílico Sevilha, da Tarkett;
2- Luminária Karat Blau, assinado por Ingo Maurer, na FAS Iluminação;
3- Sofá Soffy, assinado por Lucas Carareto para a F.Way;
4- Tapete Egg Printed, na By Kamy
5- Sofá Flow Talk, da Sittz;
6- Mix Print coluna banco, desenho de Ana Strumpf para a Bertolucci;

7- Luminária Folio Domo, com cúpula em papel de arroz Washi japonês, da Futon Company;
8- Desert Trama, da Decortiles;
9- Biombo contorno com mesa por Rejane Carvalho Leite DonaFlor Mobília;
10- Poltrona Betty, assinado por Christoph Jenni para a Maxdesign by F.Way;
11- Poltrona Magis Proust, design por Alessandro Mendini para Magis, na Novo Ambiente;
12- Sofá Samburá, assinado por Sergio J. Matos para Franccino.

Fonte: Da Redação/Assessoria