Já imaginou um apartamento com um balanço na sala de estar? Esse é só um dos diferenciais de um dos recentes projetos da arquiteta Ana Johns, à frente do escritório Ana Johns Arquitetura. A reforma da área social e do quarto de casal deste imóvel, não só modernizou os ambientes, como também aproveitou cada cantinho disponível da melhor forma, e teve uma participação super ativa dos clientes durante todo o processo da obra.

O balanço, confeccionado pelos próprios clientes, funciona como parte da decoração e também como mais um lugar para sentar à sala / Foto: Francis Larsen

Para a área comum, os clientes tinham duas solicitações diferenciadas: eles queriam um balanço na sala de estar e, também, um mini bar. “No caso do balanço, primeiro precisávamos entender o uso que ele teria, para que fosse mais do que um elemento decorativo”, conta Ana.

Como o casal gosta de receber visitas e, realmente, reunir os amigos e familiares no ambiente, o balanço na sala surge também como mais um lugar a mais para sentar, no qual a pessoa consegue conversar e interagir com quem está no sofá. “Ainda temos a possibilidade de trazer os pufes que estão na entrada e assim criar uma sala de estar onde todos podem se enxergar durante a conversa”, diz a arquiteta.

Além disso, Ana também pensou em dar destaque ao balanço, utilizando uma cor mais neutra na parede e, também, um ponto de luz bem acima do objeto. Um detalhe especial é que o macramê do balanço, feito com cordas, foi confeccionado pelo próprio casal, deixando tudo ainda mais único e personalizado.

No caso do bar, a arquiteta encontrou uma solução que completou o ambiente como um todo. “O apartamento possui muitas paredes inclinadas, o que sempre dificulta o bom aproveitamento dos espaços internos. Por isso, o bar foi pensado junto com o layout da sala”, conta Ana.

Para o projeto, ela buscava uma solução na qual a televisão da sala ficasse de frente para o sofá e, então, surgiu a ideia de colocar o móvel no meio da parede inclinada, criando o ambiente para o bar e deixando a sala como os clientes imaginavam. “Além desses dois usos, com o móvel do bar, nós também conseguimos criar um hall de entrada”, diz a arquiteta.

Suíte

A fibra de RGB permite criar diferentes cenários

O layout do quarto foi mudado por inteiro, isso porque, da forma como os móveis estavam posicionados antes, a circulação ficava comprometida e a janela também. “Com o novo layout é possível aproveitar melhor a luz da janela e, também, apreciar a vista, até mesmo da própria cama”, conta Ana.

Porém, essa mudança de posições acabou deixando o quarto sem uma parede específica para colocar a televisão. “Estudamos juntos algumas opções e vimos que seria possível criar um móvel no pé da cama, no qual ficaria a tv”, diz a arquiteta. Para não comprometer a vista, nem a circulação, o móvel conta com um sistema que possibilita levantar e “guardar” a televisão com um controle remoto.

Além da solução para a tv, o quarto tem um detalhe especial na iluminação. Também foi um pedido do casal criar um céu estrelado acima da cama, o qual foi feito com pontos de fibra ótica, colocados antes mesmo de montar o gesso no teto. “Esta iluminação permite uma luz bem suave e, como a fibra é RGB, tem controle de luz, sendo possível criar diferentes cenários quando é usado”, conta Ana.

Participação ativa dos clientes

Os clientes são um jovem casal que planejavam há um tempo essa mudança. “No começo eu achei que não precisava de uma arquiteta. Eu pensava que, se tantas pessoas conseguem decorar ambientes sozinhas, eu também conseguiria, mas a Ana ajudou muito. Ela trouxe o pensamento fora da caixa que eu queria”, diz Pamella Nass, a cliente que já morava no apartamento.

Seu marido, Bruno Zagonel, ainda não morava no imóvel, e sentia falta da sua identidade no ambiente. “Queríamos algo que combinasse conosco, que fosse realmente a nossa cara e que ficasse bonito”, conta. Além de confeccionar o macramê do balanço, o casal também escolheu os quadros da sala e os dois pintaram os pés das cadeiras da sala de jantar, para que o elemento fizesse sentido com o resto da decoração.

Para a arquiteta, a participação dos clientes no projeto é sempre positiva. “Eu acredito que o projeto tem que ser feito pensando nos clientes sempre, respeitando os gostos e a forma que eles usam os espaços. Ter uma participação mais ativa é ótimo para conseguir chegar a um resultado, de fato, exclusivo e personalizado”, conta Ana Johns.

Ana Johns Arquitetura:

Rua João Kososki, 357, Ecoville, Curitiba – PR
www.anajohnsarquitetura.com.br

Fonte: Da Redação/Assessoria