No momento da escolha da torneira para compor banheiros e cozinhas, geralmente há dúvidas entre comprar torneiras ou misturadores. As opções no mercado são diversas, mas quais condições e atributos devemos levar em consideração? A Lorenzetti, referência em soluções para o lar, reuniu algumas dicas práticas e inteligentes sobre o assunto.

Misturador Flex Duplo Comando/Divulgação Lorenzetti

Você sabia? A diferença entre torneiras e misturadores é que a primeira tem somente uma entrada de água e a segunda opção, como o nome sugere, tem duas entradas de água, uma para água quente e outra fria, realizando a mistura entre as duas. Saber a diferença entre um misturador monocomando e um duplo comando também é essencial na definição da escolha da peça. O misturador duplo comando é composto por dois acionamentos, fornecendo em um deles água fria e no outro, água quente. No monocomando, a mistura da água ocorre sob o mesmo acionamento, de maneira gradual, controlando a vazão e temperatura da água. Para o uso de misturador é necessário um sistema de aquecimento de água independente, que pode ser a gás, solar ou elétrico.

“É preciso se atentar ao fato do misturador monocomando demandar uma pressão de água maior, a partir de 4 m.c.a. (metro de coluna d’água), para atender de forma eficiente o ponto de uso”, destaca Edson Suguino, engenheiro da Lorenzetti.

Banheiro e lavabo. Um dos aspectos que impactam na escolha da torneira é o tipo de cuba utilizada. Há uma grande variedade de cubas para banheiros disponíveis no mercado. Os modelos mais procurados são: de apoio, de embutir e de sobrepor. As cubas de apoio convencionais, por exemplo, demandam torneiras ou misturadores mais altos e costumam ser mais utilizadas com as versões instaladas na bancada. Em contrapartida, existe o modelo de cuba de apoio com mesa (ou deck), o qual é instalado diretamente na louça, em que a cuba já apresenta furos demarcados, tanto para torneira, quanto para misturadores monocomando ou duplo comando, facilitando a instalação.

Escolha gourmet! Devido ao crescimento de espaços gastronômicos presentes nos lares brasileiros e à integração de espaços, a procura por metais gourmet ganhou destaque. Para esse ambiente é recomendado contar com metais que possam receber água quente, o que garante diversas vantagens como: rapidez no preparo dos alimentos, facilidade para remoção de gordura das louças, melhor higienização dos alimentos, evitando a proliferação de bactérias e além disso, conforto térmico para as mãos, sobretudo nos dias frios de inverno. “Outra dica importante para esse espaço é apostar em modelos com bica móvel, que permite a rotação em 360º, com liberdade para a execução das tarefas gastronômicas”, aponta Suguino.

Praticidade no manuseio! A escolha pelo acionamento é outro item importante, pois deve atender a necessidade do usuário. Atualmente, grande parte dos metais sanitários contam com o tradicional mecanismo cerâmico ¼ de volta, capaz de evitar o desperdício devido à rapidez na abertura e fechamento da água. “Para lugares públicos, que requerem produtos higiênicos, os produtos mais indicados são aqueles com acionamento por sensor ou automático, que garantem também a economia de água, resultando em até 70% de redução no consumo hídrico”, acrescenta Suguino.

Curiosidade! É possível evitar o desperdício hídrico com a utilização de dispositivos economizadores, que podem ser instalados em todos os modelos de torneiras e misturadores de mesa, possibilitando, em média, 50% de economia, podendo chegar a 70%, de acordo com a regulagem e a pressão da água no local da instalação. O EcoCasa, da Lorenzetti, é um exemplo de regulador de vazão.

Fonte: Da Redação/Assessoria/Lorenzetti