Piso assentado, paredes já definidas e móveis no lugar… Finalmente chegou a hora de investir nos itens de decoração. Pensar em cada canto e detalhes é uma tarefa super prazerosa, mas pode gerar muitas dúvidas. As arquitetas Danielle Dantas e Paula Passos, à frente do escritório Dantas & Passos Arquitetura, entram em cena para ensinar a melhor forma de escolher os objetos que respondam à identidade do morador e o estilo do décor escolhido para os ambientes da casa.

Projeto: Dantas & Passos Arquitetura | Foto: Maura Mello

O primeiro passo é fazer a programação prévia de gastos. “Essa informação é fundamental para garimparmos os objetos de acordo com o valor que é possível gastar, pois as etapas anteriores que compõem a obra e acabamentos consomem um orçamento considerável”, afirma Paula. Essa matemática financeira também delimita a quantidade de ambientes que contarão com peças decorativas, que geralmente estão presentes na área social, como salas de estar e jantar, podendo se estender também para os dormitórios. “Caso não seja possível, dedicamos o enfoque para o social, que é o cartão de visita da casa”, completa Danielle.

Escolhendo para o décor

Mais que um instrumento musical, o piano torna-se parte do décor. Além disso, logo ao lado na parede podemos observar os painéis de ladrilho hidráulico que trazem um toque a mais de cor. Cada peça é escolhida de acordo com os gostos dos moradores. Projeto: Dantas & Passos Arquitetura | Foto: Maura Mello.

Não é novidade que etapa de produção do décor é muito gostosa. Mas também pode se configurar como um grande desafio, afinal as escolhas devem refletir a personalidade dos moradores em cada um dos ambientes do imóvel.

Como nas etapas anteriores profissional e cliente já definiram o estilo do projeto – seja clássico, contemporâneo ou industrial, entre outras tendências que marcam a decoração –, o trabalho é selecionar objetos e obras de arte que sigam conectados nesse contexto geral.

“Um décor sofisticado não combina com peças rústicas, mas podemos introduzir uma peça feita à mão e mais artesanal, desde que harmonize com as demais peças do ambiente”, relaciona Paula.

Além dessa observação, relacionar as cores e as texturas presentes entre a parede e o chão e avaliar os tons de revestimentos, acabamentos em geral utilizados na casa e os móveis escolhidos são outros pontos que balizam a seleção dos objetos.

Muito além da estética

Para a varanda, a família desejava uma decoração que desacelerasse o ritmo frenético do seu cotidiano. Para isso, os materiais e objetos que usamos foram escolhidos para trazer calmaria. O escritório elegeu a madeira, como foi o caso da mesa, e peças como a gaiola de passarinho aberta. Com a posição de voo, transmitimos a mensagem para que cada um dos moradores pudesse sentir-se livre e em paz naquele lugar |Projeto: Dantas & Passos Arquitetura | Foto: Maura Mello.

Mas o conjunto não está completo se as sensações que essas peças trarão para os ambientes não forem consideradas. “Nosso olhar é pautado na pergunta: que tipo de sentimentos um o vaso de murano ou uma obra de arte transmitirá para moradores e visitantes?”, indaga Danielle.

Em linhas gerais, as peças precisam produzir sentimentos bons e leves de forma que a casa possa emanar felicidade e boas energias em seu dia a dia. Nesse processo, a imersão pelos gostos pessoais dos moradores contribui para que as profissionais escolham um elemento como ponto de partida e, dessa forma, seguir com o restante da produção. “Para um cliente apaixonado por obras de arte, nossa referência pode ser uma tela bastante expressiva”, conta Paula.

Dicas para não errar

Para esse ambiente com integração total das áreas, decidimos trabalhar com uma paleta de cores neutra com destaque para a cor cinza e para contrastar sem tirar a harmonia optamos por um conjunto de pendentes no tom cobre, que trouxe elegância ao espaço. Projeto: Dantas & Passos Arquitetura | Foto: Maura Mello.

Alguns truques são ótimos para não errar na mão e ter uma decoração personalizada e alinhada os moradores. Além de respeitar o estilo da decoração, o caminho é definir e prezar por uma paleta de cores harmoniosa.

“Invista em uma base mais neutra para assim eleger outra cor que será predominante no ambiente, sempre prezando por uma proposta cromática coerente. Os objetos não podem produzir incômodos e poluição visual na decoração, com aquela impressão de excesso”, avalia Danielle.

Outra recomendação imprescindível para o sucesso da decoração no projeto é estar atento para que as peças escolhidas para a decoração não interfiram na circulação dos espaços. “Para evitar o erro, vale comprar pensando no lugar a ser colocado o objeto. Além do nosso olhar, as lojas especializadas costumam contribuir bastante com um olhar direcionado para o estilo, cores e materiais que produzam uma coesão singular no ambiente”, diz Paula.

Ambientes bem decorados

Para essa sala de estar, as arquitetas apostaram no sofá com pé palito como destaque. Com o tom verdinho claro, o décor foi evidenciado com um composê de almofadas de diferentes estampas que trouxeram cor e alegria na medida certa. Projeto: Dantas & Passos Arquitetura | Foto: Maura Mello.

Em uma sala de estar, os objetos decorativos podem caminhar pela monocromia ou a força dos tons, apresentar um design mais industrial ou artesanal.

As almofadas são essenciais e grandes aliadas para trazer cores e aconchego. Luminárias de piso e abajures contribuem para trazer uma luz especial. Nas mesas laterais e de centro, livros decorativos, caixas de madeira ou madrepérola, vasos, esculturas e porta-retratos sempre compõem muito bem com vários estilos de decoração. Para as paredes, quadros e fotografias são as escolhas para vesti-las.

No quarto os objetos escolhidos podem ser mais pessoais, seguindo o estilo do seu ambiente.

Dantas & Passos Arquitetura

@dantaspassos.arquitetura

Fonte: Da Reação/Assessoria/ Dantas & Passos Arquitetura