Sofá alinhado e bem posicionado, TV ligada… Mas, falta alguma coisa nessa equação. Quem gosta de se aconchegar para ver um bom filme ou colocar o papo em dia já sabe o que está faltando: a almofada! “Além da função decorativa, que ajuda a criar estilo ao ambiente, elas contribuem na acomodação, pois são ótimas para diminuir a profundidade do sofá, adequando-o a cada biotipo”, revela a arquiteta Cristiane Schiavoni, à frente do escritório que leva o seu nome.

No estar da casa de praia, a arquiteta Cristiane Schiavoni optou pela combinação de almofadas retangulares em dois tamanhos | Foto: Carlos Piratininga

Versáteis e cheias de estilo, podem ser empregadas de diferentes maneiras em cima do sofá, cama e poltronas. “Em um cômodo mais despojado, gosto de considerar várias almofadas no chão em cima de um tapete, criando um espaço bem agradável para ler ou relaxar”, relata a profissional.

E definir essa função da almofada é o primeiro passo para escolher os modelos e tamanhos. “Proporção é primordial”, diz Cristiane. A arquiteta relaciona dois principais olhares: a funcionalidade, como o suporte e conforto para sentar-se, ou a questão decorativa.

A base neutra do dormitório assinado permitiu apostar em modelos mais marcantes, estampados em tons escuros e estampa geométrica | Foto Carlos Piratininga

Definido o tamanho da almofada, o próximo ponto é o estilo, determinado pelas estampas e cores. “Sempre digo que temos dois caminhos. Ou seguimos uma linha neutra, usando praticamente os mesmos tons do sofá ou da cama para as almofadas, ou trazemos um contraponto com muita cor e estampa”, explica a profissional.

Por serem facilmente substituídas, é possível aproveitar a peça decorativa para investir em itens que estão na moda, mas que logo podem ficar obsoletos. “Hoje, os tecidos com mais texturas e naturais, estão super em alta. Então, conseguimos mesclar tecidos, cores e estampas de uma forma bem bacana. Mas se o morador preferir uma decoração sóbria, busco trabalhar com almofadas lisas e estampas que estejam dentro do estilo e do restante do ambiente”, esclarece.

Mistura que dá certo: Cristiane investiu em um modelo maior da mesma cor do estofado do sofá, e uma almofada estampada em um tom mais forte | Foto: Carlos Piratininga

A dica da arquiteta para que as almofadas atendam às expectativas dos moradores é pensar nelas ainda no começo do projeto, ainda mais em ambientes tradicionais. Com essa antecedência, pode-se até aproveitar o tecido especificado para revestir o estofamento da cadeira ou procurar por uma tonalidade semelhante. Essa estratégia é adotada por Cristiane em projetos de arquitetura de interiores mais clássicos.

Porém, quando o cliente está disposto a contar com uma decoração mais contemporânea, a ideia da arquiteta é completamente outra. “Nesses casos, vou em busca de almofadas em estilos e cores diferentes e levo para a produção. Só testando no local é que conseguimos selecionar aquelas que combinam mais com a proposta do ambiente, como também com as preferências do cliente”, finaliza.

Cristiane Schiavoni

Av. Imperatriz Leopoldina, 957, sala 1914, Vila Leopoldina, São Paulo

Tel. (11) 3649 4900

www.cristianeschiavoni.com.br

@cristianeschiavoni

Fonte: Da Redação/Assessoria