O estilo industrial conquistou seu espaço na decoração e veio para ficar! Parede de tijolinhos, concreto, conduletes e vigas aparentes, ambientes integrados, janelas largas são alguns elementos que marcam presença. Entre todos esses itens, os subway tiles, azulejos característicos das antigas estações de metrô de Nova Iorque, Paris e Londres, agregam ainda mais charme para os apaixonados pelo estilo!

Subway tiles dão cara do estilo moderno industrial |Projeto: Liv’n Arquitetura | Foto: Guilherme Pucci

Por aqui, o revestimento ganhou os corações dos brasileiros pela versatilidade que proporciona na composição dos ambientes. Além da estética e o ar retrô, quem olha para o acabamento sabe que carrega mais de 115 anos de história, quando os famosos retângulos, criados pelos designers George C. Heins e Christopher Grant La Farge, apareceram pela primeira vez na inauguração do metrô de NYC.

“Desde então, novas cores, acabamentos e formas de aplicação somaram-se à alta resistência, durabilidade, facilidade de manutenção e, sobretudo, ao charme genuíno e personalidade que o subway tile entrega aos projetos”, destaca Júlia Guadix, à frente do escritório Liv’n Arquitetura. Apreciadora das características do material nos projetos que assina, a arquiteta preparou um roteiro com informações e inspirações.

Acompanhe:

1) Vantagens e mais vantagens:

Na cozinha, Júlia escolheu o revestimento (Portinari), na cor cinza, para compor o backsplash da cozinha. Limpeza descomplicada, principalmente na área do fogão. Projeto: Liv’n Arquitetura | Foto: Guilherme Pucci

É isso mesmo que você leu: os subway tiles, além de belíssimos, só trazem vantagens aos projetos. “Revestimento de fácil aplicação e manutenção, versátil e com um ótimo custo benefício, já que o metro quadrado pode ser encontrado a partir de R$ 40, dependendo do modelo e da cor”, explica a profissional. Queridinho dos projetos de interiores, os azulejos de metrô contribuem para decoração de estilos industrial e moderno.

2) Onde usar os subway tiles?

O subway tile é aquele coringa que pode ser aplicado em qualquer ambiente, a depender da proposta do projeto. Com um uso mais frequente em banheiros, cozinhas, garagens e áreas externas em geral, Júlia afirma que nada impede que o revestimento também seja eleito para constituir salas de jantar, estar e até mesmo um dormitório. “Nesses casos, o importante é ter em mente que, por ser um material mais ‘frio’, precisamos apostar na mistura com elementos mais quentes, como tecidos e madeira”, discorre.

Em cozinhas, a arquiteta destaca dois pontos principais para aplicação: o espaço que abrange a pia e os armários superiores, além da opção de meia parede com subway tile (aproximadamente 1,10m de altura do piso para cima) finalizada com pintura.

No frontão, Júlia especificou o revestimento preto (Eliane), em uma fusão interessante com a marcenaria de tons claros presente na cozinha Projeto: Liv’n Arquitetura | Foto: Guilherme Pucci

A parede que compreende a pia e o balcão do almoço conta com uma prateleira que arremata a altura da parede com subway tiles. Acima, a arquiteta finalizou com a pintura até o teto. Projeto: Liv’n Arquitetura | Foto: Guilherme Pucci

Nos banheiros, o subway tile pode ser o material escolhido por todo ambiente, inclusive na área do box.

Na área da bancada, uma pequena faixa do azulejo retrô off white (Eliane) foi empregada no espaço que engloba a bancada e o espelho. Na área do box, instalação na altura completa, entre piso e o forro de gesso. Projeto: Liv’n Arquitetura/Foto: Guilherme Pucci

Valorização da área de serviço e proteção à parede que pode, eventualmente, receber respingos de água e produtos de limpeza durante a utilização do tanque.

No ambiente, a arquiteta aplicou o subway tile (Decora SGR LUX Portinari). Projeto: Liv’n Arquitetura/Foto: Guilherme Pucci

3) Subway tiles em cores, acabamentos e formatos:

Hoje em dia, é possível encontrar esses azulejos em diversas cores, ampliando significativamente as possibilidades de ambientação, permitindo criar diferentes composições. “Posso especificar desde o branco original, até os tons mais vibrantes, como azul, vermelho e amarelo, passando por uma paleta mais neutra, como o nude e o preto”, releva a arquiteta.

E o incremento não está marcado apenas no portfólio de cores: a indústria cerâmica trouxe novas sugestões de acabamentos para combinar com o brilhante: o polido, fosco e até com relevo. No tocante às medidas, os formatos também podem variar, podendo ser mais ou menos compridos, mas sempre retangulares.

Outros modelos trazem um componente a mais de charme: as bordas bisotadas. Isso quer dizer que as extremidades do azulejo possuem um acabamento levemente chanfrado, permitindo um dinamismo no arranjo. “Super eclético, o subway tile é muito fácil de combinar com outros elementos do projeto! Nesse processo, considero fundamental que estejam dentro da paleta de cores proposta para o ambiente”, elucida a profissional.

No ambiente, a arquiteta aplicou o subway tile (Decora SGR LUX Portinari). Projeto: Liv’n Arquitetura/Foto: Guilherme Pucci

4) Como aplicar esse sonho de consumo?

Além das cores, formatos e modelos, outro aspecto que o profissional pode inovar é na paginação. Seu formato retangular permite muitas possibilidades – desde a maneira mais tradicional encontrada nos metrôs –, seguindo para diagramações na vertical, diagonal, simétrica ou alinhada. “Tenho observado que as mais atuais são as disposições conhecidas como escama e a espinha de peixe”, pontua Júlia.

A decisão promove resultados diferentes ao olhar. “Podemos assentá-los com ou sem amarração, na horizontal ou vertical, escama de peixe, mesclar cores e rejuntes”, completa.

A paginação mais tradicional é a horizontal com amarração, usada nos metrôs. Projeto: Liv’n Arquitetura | Foto: Guilherme Pucci

Existem diversas maneiras de paginação quando o assunto são os subway tiles | Foto: Divulgação

5) A importância dos rejuntes:

Os subway tiles são tão polivalentes que não param de aparecer formas para reverenciar o seu emprego na decoração. Os rejuntes, com maior ou menor contraste em relação a cor dos azulejos, podem produzir uma grande diferença no resultado.

Rejuntes no mesmo tom do azulejo ajudam a criar um plano mais clean e liso. Já a proposta de diferenciar a cor do rejunte valoriza e destaca o formato e a paginação dos azulejos. Atualmente, o mercado conta com quatro principais versões: branco, preto, cinza e o colorido.

O rejunte branco com o subway tile no mesmo tom é o mais clássico de todos, combinando com as propostas mais retrôs. Se a ideia for o contraponto, basta apostar nos azulejos brancos ou pretos com rejuntes opostos à sua tonalidade. Os mais ousados podem investir em outras cores, todavia é preciso observar para não deixar o espaço sobrecarregado.

Liv’n Arquitetura

Av. Dr. Cardoso de Melo, 291, São Paulo – SP
(11) 94537 – 0101
www.livn.arq.br
Instagram: @livn.arq

Fonte: Da Redação/Assessoria