Fernanda Morais, Fernanda Tegacini e Nathalia Mouco, mentes responsáveis pelo sucesso da Très Arquitetura, participam pela terceira vez da CASACOR São Paulo, maior e mais completa mostra de arquitetura, design e paisagismo da América Latina, que acontece até 29 de julho, no Jockey Club São Paulo.

Este ano, as arquitetas donas de traços limpos, modernos e cheios de bossa, se viram influenciadas pela poesia rudimentar e fascinante que ronda o começo da história da humanidade, assim ressaltando a essência simbólica das cavernas como moradia primogênita e resgatando a origem do homem como ser que se apropria de algo e, de forma simples, o torna aconchegante e seguro. Nasce então, a Casa Menir, nome inspirado no primeiro símbolo de arquitetura conhecido, projetada para acomodar quem procura por funcionalidade, mas não abre mão do design humanizado.

Com o conceito de ‘Casa Viva’, tema da mostra em 2018, as profissionais foram guiadas pela ideia de criar um ambiente que fosse realmente desfrutado e não deixaram nenhuma parte dos 56m² de fora. Idealizando um refúgio urbano, mas de natureza rústica, que exalta contemporaneidade com o uso de materiais naturais, o espaço conta com poucos móveis, prioriza a cozinha e dispõe de living, quarto, banheiro, closet e um jardim anexo. Placas do porcelanato Pietra Nicolau, da Biancogres, em parceria com a Colormix, em formas orgânicas, revestem pisos e paredes, produzindo padrões únicos e diferenciados. Já a paleta de cores, com tons neutros como bege e preto, além de latão e terra, tornam a decoração equilibrada e convidativa.

Dispondo da arquitetura como uma das premissas do trabalho do escritório, um painel com estrutura em madeira abriga a área social e íntima, criado para abraçar o layout da residência, reunindo os cômodos ao meio, e liberando a circulação em volta. Cordas de fibra da Nani Chinellato foram trançadas a mão pelas profissionais e formam uma trama exclusiva que envolve todo esse esqueleto estrutural.

À primeira vista, quem entra no ambiente não consegue identificar a finalidade desse painel, mas durante o percurso percebe-se que aquela ‘caixa’, na verdade, acomoda a cama, o sofá, e a mesa, otimizando o espaço e criando um elemento de design personalizado. Uma empena, em granito bruto, que esbanja personalidade estrutural, tem como função dividir os ambientes, desse modo separando o íntimo, do living e jantar.

A parede de sete metros que toma toda a vista frontal da residência, abriga a cozinha e a estante Dots, peça premiada do F Studio, que é um objeto de visual esguio, leve, que funciona de modo dinâmico, graças a seus módulos diferenciados. Dispondo de objetos e elementos que potencializam e facilitam o uso, o espaço foi pensado de maneira humanizada para aproximar as pessoas da própria casa.

Um capítulo à parte, a cozinha conta também com uma horta natural hidropônica, implantada pelo do Projeto FAZU, uma startup que, em parceria com a ONG SOMAR, tem como um dos objetivos introduzir tal iniciativa em comunidades carentes, com a finalidade de gerar receita e trazer alimentos de qualidade, sem uso de agrotóxicos.

A iluminação do teto é feita por uma claraboia, principal ponto de luz presente.  Existem faixas pontuais que iluminam paredes, marcenaria e decoração, todas fornecidas pela Lumini que destacam os outros pontos principais. O paisagismo, criado por Lucia Cabrera, transborda vivacidade e bem-estar, compondo o décor do jardim junto de biombos de espelhos coloridos e uma banheira em madeira maciça, da Monica Cintra. A curadoria com peças especiais de marcas como Etel e Dpot completam o ambiente.

Fonte: da Redação/Assessoria/Fotos: Evelyn Muller