Manter uma casa 100% do tempo alinhada na arrumação não é uma tarefa fácil. Principalmente em um espaço compartilhado com crianças ou pets, ter tudo no seu devido lugar, de maneira impecável, é um desafio. Mas essa não é uma afirmação para entregar os pontos: junto com a decoração de interiores, soluções práticas são aliadas para facilitar a organização e, até mesmo, ‘camuflar’ aquilo que incomoda e destoa aos olhos.

Neste projeto realizado pela arquiteta Cristiane Schiavoni, o banco baú foi inserido estrategicamente para guardar os brinquedos do pequeno morador que brinca no tapete da varanda | Foto: Carlos Piratininga

Segundo a arquiteta Cristiane Schiavoni, à frente do escritório que leva o seu nome, o caminho para uma casa muito bem disposta é muito mais simples do que se imagina e não é um sonho distante. Para a experiente profissional, tudo começa pelo entendimento do perfil dos moradores, que se enquadram em três estereótipos. O primeiro diz respeito ao bagunceiro assumido, que pode até contar com espaço de sobra para posicionar tudo, mas não tem paciência para manter tudo arrumado. Já o segundo é retrato da pessoa que é naturalmente desorganizada e que não consegue vislumbrar facilmente um meio para manter o espaço arrumado. Ao contrário dos tipos um e dois, o terceiro é alguém que ama uma arrumação, mas trava uma luta consigo para tudo ficar no seu devido lugar, já que esse processo não acontece naturalmente.

Neste projeto assinado pela arquiteta Cristiane Schiavoni, o cliente decidiu pelo seu home office próximo à sala de estar, já que gosta de exercer suas atividades profissionais enquanto assiste televisão. Assim, para esconder sua ‘bagunça’ de trabalho, as portas de correr fazem a divisão entre os ambientes | Foto: Carlos Piratininga

De acordo com a arquiteta Flávia Nobre, sócia da designer de interiores Roberta Saes no escritório Meet Arquitetura, a proposta inicial não precisa ser necessariamente ‘esconder’ a bagunça, mas aprender a camuflá-la, mantendo cada coisa em seu devido lugar. Para trazer inspirações eficazes, as profissionais separaram dicas e referências onde detalham as soluções que criaram para eliminar a incômoda bagunça. Acompanhe a seguir!

Decoração e marcenaria ao seu favor

Neste loft de 40m² projetado pelo Meet Arquitetura, mais um home office integrado com os demais ambientes. Para não prejudicar a atmosfera gostosa do apto, a parte interna da mesa de trabalho conta com nichos e gavetas para que a moradora possa guardar seus itens pessoais e deixá-los fora de vista quando o expediente acabar | Foto: Henrique Ribeiro

Diversos truques ligados à marcenaria, bem como objetos de decoração, auxiliam no processo de organizar e, ao mesmo tempo, proporcionar uma estética harmoniosa para o ambiente. Baús, nichos, prateleiras, estantes, gavetões e caixas são clássicos que fazem a diferença.

Se os moradores apresentarem o perfil ‘bagunceiros’, apostar em um móvel fechado pode ser o caminho, pois ajuda a esconder com eficácia. “Ao invés de uma estante vazada e com nichos, pensar em uma opção com portas pode ser uma alternativa bastante interessante. Para um home teather, um rack fechado com o efeito ripado, por exemplo, abriga os equipamentos, tirando aquela sensação de amontado. E o painel é excelente para que os fios não fiquem aparecendo”, indica a arquiteta Flávia Nobre.

Como um novo hábito adquirido pelos brasileiros em função da pandemia, Cristiane Schiavoni e as sócias da Meet Arquitetura salientam a relevância de outro acessório a ser posicionado logo na entrada das residências: um móvel para guardar os sapatos. “A peça auxilia os moradores a vivenciarem essa nova rotina que certamente ficará depois desse vencermos esse período de preocupação sanitária”, ressalta a designer de interiores Roberta.

No hall de entrada do apartamento, Cristiane Schiavoni incorporou um móvel suspenso para receber os sapatos. Ao lado, o banco dá suporte e conforto aos moradores no momento de tirar e calçar | Foto: Carlos Piratininga

Na sala estar assinada por Cristiane Schiavoni, ao lado do painel com a peça de arte, à primeira vista as duas ‘portinhas’ podem passar desapercebidas. Mas, com um pequeno toque para abertura, os moradores têm acesso aos jogos de tabuleiros que estão guardados no espaço |Foto: Carlos Piratininga

Praticidade

Um dos principais facilitadores para que tudo permaneça em seus devidos lugares é a praticidade. Quando tudo está claro e perto, a tendência é que o fluxo da organização se descomplique. Em casas com crianças e brinquedos, caixotes com rodízios, cestos e prateleiras são muito convenientes e incentivam que sejam guardados logo após as brincadeiras. “Tudo precisa ser muito eficaz para que rapidamente a casa fique organizada”, relata Cristiane Schiavoni.

Próximo à sala de estar do apartamento, Cristiane Schiavoni criou um pequeno ambiente para abrigar os brinquedos dos pequenos. Prateleiras, caixas e cestos simplificam no processo de acondicionar novamente depois da diversão. Aprovado por eles e pelos pais, que na correria de receber convidados em casa, podem simplesmente fechar as portas de correr | Foto: Carlos Piratininga

No formato ‘L’, a estante de serralheria abre frente para distribuir os objetos decorativos. Atrás da porta, um suporte faz as vezes de porta-bolsas, facilitando a chegada e saída da moradora | Foto: Henrique Ribeiro

Solução aliada à sofisticação

Optar por itens decorativos que, ao mesmo tempo, guardem as coisas de casa é uma solução que, além de otimizar, deixa o cômodo mais bonito e com personalidade! Segundo a arquiteta Cristiane Schiavoni, uma cristaleira, por exemplo, pode ser um desses móveis que emprestam sofisticação e eficiência para guardar as taças que não são utilizadas com frequência. “Quando me dizem que a cristaleira não é útil, prontamente explico a sua aplicabilidade em casa. Além de decorar de maneira muito elegante, traz consigo essa ideia de funcionalidade”, defende.

Arquiteta Cristiane Schiavoni:

Av. Imperatriz Leopoldina, 957, sala 1914, Vila Leopoldina, São Paulo
www.cristianeschiavoni.com.br
@cristianeschiavoni

Escritório Meet Arquitetura:

Nascido do desejo de encarar desafios e inovar, o escritório Meet Arquitetura foi fundado pela designer de interiores Roberta Saes e a arquiteta Flávia Nobre, amigas e profissionais apaixonadas pelo que fazem.

O trabalho é estruturado pela busca de uma arquitetura única, que consiga alinhar os desejos do cliente com a assinatura Meet Arquitetura. Seus projetos envolvem altíssima competência técnica, soluções diferenciadas, criatividade e personalização. A atuação da dupla é pautada na busca pelas principais tecnologias do mercado, alinhando o funcional com beleza e a solidez em cada resolução adotada.

Fonte: Da Redação/Assessoria